DANÇA À DERIVA – 4ª MOSTRA LATINO-AMERICANA DE DANÇA CONTEMPORÂNEA

13719743_1035082453242711_4173415862050761341_o

DANÇA À DERIVA – MOSTRA LATINO-AMERICANA DE DANÇA CONTEMPORÂNEA CHEGA EXPANDIDA A SUA 4ª EDIÇÃO

Mostra, que começou em caráter bienal, já acontece anualmente e se estende para as cidades de Suzano e Registro, em formato pocket de dois dias.

 Entre 1 a 7 de agosto, acontece a Dança à Deriva 2016 – Mostra Latino-Americana de Dança Contemporânea, que chega à sua 4ª edição. Desta vez, o Centro de Dança Umberto da Silva da Galeria Olido é o espaço escolhido para receber espetáculos, performances, rodas de conversa, debates, lançamento de livro e exibição de vídeos de 18 coletivos artísticos de países como Argentina, Brasil, Bolívia, Chile, Colômbia, México, Uruguai e Paraguai. Toda a programação é aberta ao público.

A Mostra, que se dá sempre com o propósito de facilitar e estimular trocas de experiências entre os artistas, fomentando o diálogo entre as nações por meio da linguagem da dança, traz para a cena espetáculos que evidenciam processos de pesquisa de linguagem que arriscam novas estéticas e outros novos modos de se relacionar artisticamente com o corpo e com as ideias nele perpassadas. O evento também potencializa coletivos que buscam alternativas para realizar seus projetos poéticos numa perspectiva mais horizontal, de parcerias e estratégias. Desenha, assim, um novo mapa de possibilidades, fortalece processos colaborativos de criação e de produção e, sobretudo, abre caminho para que as produções nacionais possam circular por outros países deste continente diverso e multifacetado, dando espaço para o que pouco se discute na dança: a internacionalização.

A abertura, do dia 1º de agosto, às 19h, na Sala Paissandu, fica por conta da Cia. Hombrebuho, dirigida por Yenzer Pinilla, com “Elogio de Guerra”, solo que fala das angústias do homem contemporâneo, forçado a percorrer, inerte, um caminho que não escolheu, em contraposição aos seus desejos mais profundos e prementes. Yenzer,  bailarino e professor envolvido com a direção artística de alguns dos mais representativos coletivos de dança de Bogotá (Colômbia), também coordenará, ao lado da bailarina e coreógrafa Ingrid Londoño, o Laboratório coreográfico Camaleão, vivência de investigação do movimento, que acontece todas as manhãs e prevê apresentação de um resultado cênico ao final.

As brasileiras Dual Cena Contemporânea, de São Paulo, e Balé Baião, de Itapipoca, Ceará, retornam à Mostra –  a primeira com seu recém-estreado “Profetas da Selva”, e a segunda com espetáculo, exibição de videodança e lançamento do livro “Dança Balé Baião: 20 Anos em Companhia”, publicação comemorativa de “duas décadas de dança e pertencimentos, de dança e resistências, de dança e insistências”,  como escreve o pesquisador, professor e crítico de dança  Joubert Arrais no prefácio. Do Ceará, vem também a Cia Flex, que em “Vida ou Morte ao boi” fala das possíveis ou impossíveis relações da cultura hight-tec com os costumes tradicionais. Aline Brasil e Anna Behatriz Azevedo, de Goiás, se apresentam com a performance “Ao caírem as abas”, parceria com o músico Jeferson Leite, que traz como principal referência o conto “Cadeira”, de José Saramago,  em imagens que traduzem degeneração,  decomposição e o limiar entre a vida e a morte.

Entre as companhias estrangeiras que estréiam presença na Mostra está o coletivo formado pelos artistas uruguaios e veteranos da dança Norma Berriolo (direção) e Luciano Álvarez (interpretação), que, ao decidirem voltar a dançar no final do ano passado, criaram o solo “Al Borde de la Piscina”, nome que batiza a companhia e revela um corpo maduro em constante desafio contra o tempo e a própria fragilidade com a força do ser que escolhe a luta, a beleza e o amor.

Do México vêm três companhias e cinco trabalhos: a EnNingúnLugar apresenta duas criações em parceria com coletivos colombianos – “Re-construcción de Los hechos”,  em colaboração com Amaranto, coreografia que usa o ciclo da água como metáfora para falar de vida e de morte,  e “Intromisiones insatisfactorias”, onde investiga, junto a HombreBuho, de  Yenzer Pinilla, os problemas de comunicação entre dois homens que habitam o mesmo espaço; a Fósforo  Escenamóvil, também com dois trabalhos –  “Tripulación a bordo” e “Enigma de un dia sin Luna”; e  o Colectivo Caninos Danza y No Danza, com “MOR, Sutilezas del sueñno”.

O Chile aparece com dois grupos – CiadeDanzaConminombre, que, com humor, transita por diferentes formas de materializar a ideia do corpo na cena contemporânea com a coreografia “Algunos mitos sobre el cuerpo y otras siutikerías”, e o Colectivo Chile, que também parte de uma visão irónica para falar da mulher e os clichês relacionados a seu papel na sociedade, em “Paisajes”.

A Mostra reserva ainda a participação da Kalus Danza Contemporânea (Colômbia) com três obras: “Vivi-En-Do”, “No sistemático”  e  “No Fatum”;  do Proyecto Inmersíon (Argentina), com a peça homônima; da Otrapiel Cia. de Danza (Paraguai), com “Corteza”;  das artistas bolivianas Camila Bilbao e Camila Urioste, com a performance Vértigo; e das brasileiras Patrícia Pina Cruz, com Z.I.G.O.T.O, e Nívea Jorge, acompanhada pelo músico Viana Júnior (Ceará), em “Solo de Barro”.

 

Novas derivas

Para ampliar a abrangência do projeto, estabelecer novas parcerias e outras trocas poéticas, na semana seguinte, quatro companhias – Dual Cena Contemporânea (São Paulo), HombreBuho (Colômbia), Amaranto e En NingunLugar (Colômbia-México), e Colectivo Canino Danza y No Danza (México) – permanecem em São Paulo e estendem o Dança à Deriva para as cidades de Suzano (dias 11 e 12/8), e depois Registro (13 e 14/8).

Numa realização da Radar Cultural Gestão e Projetos, sob a direção geral de Solange Borelli, em parceria com a Secretaria Municipal de Cultura e a Secretaria de Estado da Cultura, Dança à Deriva – Mostra Latino-Americana de Dança Contemporânea se consolida cumprindo a sua principal vocação: preservar os vínculos estabelecidos em cada edição para dinamizar e fortalecer o intercâmbio artístico-cultural entre países da América Latina.

Confira a programação completa!

 

“América Latina no es sólo la suma de nuestros países. La región constituye un caleidoscopio gigantesco que cambia conforme giramos en conjunto. Cuando elegimos la identidad latinoamericana como el gran hilo que nos caracteriza como un único pueblo, tomamos una decisión política importante, muchas veces más legítima que la fragmentación impuesta por los intereses internacionales.”

Glauber Piva

__________________________________________

SERVIÇO:
Dança à Deriva – 4ª Mostra Latino-Americana de Dança Contemporânea de 01 a 07 de agosto – espetáculos a partir das 19h.
Entrada gratuita (retirar ingressos com 1 hora de antecedência)
Galeria Olido – Centro de Dança Umberto da Silva
Endereço: Av. São João, 473 – 2º andar – República, São Paulo
Telefone: (11) 3331-8399

Ficha Técnica
Idealização e Direção Geral: Solange Borelli
Curadoria e Articulação Política: Sylvia Fernandez e Solange Borelli
Equipe de Produção: Adriana Menezes, Flavia Borsani, Leticia Andrade e Marcela Horta
Coordenação Técnica: Mauro Martorelli 

Informações adicionais
Elaine Calux – Assessoria de Imprensa
11 33689940 | 964655686
dancaaderiva2016@radarcultural.com.br
https://dancaaderiva.wordpress.com

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

CONVOCATÓRIA

eee

‘DANÇA À DERIVA’ – 4ª MOSTRA LATINO AMERICANA DE DANÇA CONTEMPORÂNEA
(SP – BRASIL)
De 01 a 14 de AGOSTO de 2016
Prazo de Envio de Propostas: 30 de abril 2016.
dancaaderiva2016@radarcultural.com.br

RADAR CULTURAL Gestão e Projetos convida artistas independentes, companhias e coletivos artísticos com atuação em países que integram a AMÉRICA LATINA (Brasil, Argentina, Colômbia, Bolívia, Uruguai, Paraguai, Chile, Costa Rica, Nicarágua, Equador, México, El Salvador, Venezuela, Guatemala, Peru, entre outros), que desenvolvem pesquisas em dança contemporânea, para o envio de materiais a fim de participarem da 4ª MOSTRA LATINO AMERICANA DE DANÇA CONTEMPORÂNEA – ‘DANÇA À DERIVA’ que acontecerá de 01 a 14 de agosto 2016 em São Paulo/Brasil.

O intercâmbio artístico-cultural entre os países da América do Sul é a base em que se fundamenta essa Mostra, e parte da premissa de estabelecer trocas de experiências estéticas criativas entre os criadores e intérpretes, fomentando o diálogo entre as nações por meio da linguagem da dança.

A Mostra contemplará intervenções, instalações, espetáculos de rua, espetáculos em espaços alternativos e em palcos convencionais, para público adulto e infanto-juvenil. A Mostra não se finda apenas em apresentações cênicas, mas propicia um contato mais próximo entre os artistas participantes por meio de debates, workshops e rodas de conversa.

Para isso é imprescindível que todos os integrantes das companhias participem integralmente de todas as atividades propostas durante todo o período de ocorrência da Mostra, de 01 a 14 de agosto 2016.

De 01 a 07 de agosto na GALERIA OLIDO – CENTRO DE DANÇA UMBERTO DA SILVA -Endereço: Av. São João, 473 – República, São Paulo – SP, 01035-000

De 08 à 14 de agosto, quatro a cinco coletivos serão convidados à apresentar suas obras para duas cidades do Estado de São Paulo, à definir, ampliando a abrangência da Mostra.

A produção se responsabilizará apenas pelo transporte interno na cidade de São Paulo (translado aeroporto/hotel/aeroporto, ou rodoviária/hotel/rodoviária), hospedagem e alimentação dos artistas que integram a ficha técnica de cada companhia (no limite de até 05 participantes) durante o período de realização do mesmo, e também pela infra estrutura de palco, som e luz. Caso haja coletivos artísticos com mais de 05 (cinco) integrantes, o mesmo deverá responsabilizar-se pelas despesas de translado, hospedagem, e alimentação.

Importante: Não está previsto o pagamento de cachês artísticos. 

A inscrição de trabalhos via e-mail num único DOC ( em PDF) contendo:

1- Nome do grupo/companhia/artista, nome do responsável pelo grupo, telefone (fixo e celular), e-mail e site;

2- Release da obra com Ficha técnica completa, Currículo completo do grupo/companhia/artista, e links no you tube ou vimeo da obra completa.

3- Apresentar as Necessidades técnicas (som, iluminação, cenografia, etc), tempo de montagem e desmontagem e disponibilidade de adaptar a concepção cênica do espetáculo caso seja necessário.

4- Artistas interessados em desenvolver Oficinas/Workshops poderão enviar suas propostas.

IMPORTANTE: As inscrições de trabalhos deverão ser feitas por meio do envio de informações para o endereço eletrônico dancaaderiva2016@radarcultural.com.br – num único arquivo em PDF até 3 MB.

Período para recebimento das inscrições: até 30 de abril de 2016.

Serão escolhidas até 20 (vinte) propostas.

A divulgação do resultado será no dia 15 de maio de 2016.

Demais informações: dancaaderiva2016@radarcultural.com.br
https://www.facebook.com/dancaaderiva/
https://dancaaderiva.wordpress.com/
Realização: RADAR CULTURAL Gestão e Projetos / Solange Borelli

Imagem | Publicado em por | Deixe um comentário